Logística avançada: o novo marketing para o varejo

Logística avançada: o novo marketing para o varejo

Empresas estão aumentando sua competitividade e eficiência ao investirem em uma logística que foge do usual para melhor atender o consumidor

Já imaginou comprar um produto pela internet e, algumas horas depois, recebê-lo no conforto da sua casa? Entregas realizadas no mesmo dia da compra já são uma realidade em algumas empresas como a Amazon, e cada vez mais os consumidores estão valorizando a agilidade em operações como essa. A logística avançada, como é chamada, é apelidada também de “novo marketing”, pois atualmente, a preocupação com a entrega é equivalente à preocupação com as vendas.

A logística, na perspectiva da gestão da cadeia de suprimento (Supply Chain Management), representa uma das mais importantes dimensões estratégicas, pois recompensa certas qualidades de organização, em particular a adaptabilidade, a flexibilidade, a decisão e a rapidez. Em suma, o objetivo de ter uma logística avançada é procurar atingir às necessidades dos clientes com qualidade máxima e custos mínimos. Essa é a receita para manter e aumentar o nível de competitividade de uma empresa de varejo.

O crescimento exponencial de vendas e lojas online só reforça essa demanda e necessidade do consumidor de comprar sem atritos e com conforto. O jornal El Economista noticiou que a gigante empresa têxtil espanhola Inditex investirá 1700 milhões de euros no reforço e capacidade logística justamente por causa do aumento das vendas online. O objetivo deles é deixar todas suas marcas disponíveis online até 2020.

O objetivo do investimento milionário é claro: aumentar a eficiência na gestão dos tempos de envio e duplicar a velocidade de transporte, armazenamento e recolha da mercadoria. A Inditex tem lojas em 96 países, mas chega já a 202 mercados através da plataforma de vendas online da Zara. A empresa conta atualmente com dez centros logísticos em operação em Espanha e que dão resposta às necessidades das diferentes marcas, servindo as 7.500 lojas que o grupo tem em todo o mundo com entregas de produtos duas vezes por semana.

Recentemente o Mercado Livre anunciou também o investimento em uma empresa do setor logístico, a colombiana Liftit. Em rodada que somou US$ 14,3 milhões, o investimento contou também com a participação de empresas como IFC, Monashees, Jaguar Ventures e NXTP. O objetivo? Oferecer soluções logísticas mais eficientes e uma experiência de compra melhor tanto para quem vende, quanto para quem compra.

A plataforma Liftit é líder de mercado na Colômbia e possui operações no México, Brasil, Chile e Equador. Com foco nos negócios que têm a necessidade de distribuir seus produtos de forma expressa dentro dos grandes centros, a conecta seus usuários com uma ampla rede de motoristas, de diversos perfis e portes de carga. Isto permite gerir, em tempo real, todo tipo de entrega conhecida como “last mile delivery”.

O sucesso da dimensão estratégica logística depende do nível de integração das suas ações específicas e de seus ajustes no decorrer do tempo. Por exemplo, a orientação do fluxo de produção vai influenciar a política de produção, que, por sua vez, vai subsidiar a centralização ou descentralização de estoques. Outro fator é a escolha do modal mais adequado, haja vista que o custo dos transportes é o maior “vilão” a ser atacado para a redução dos custos. Essas e outras decisões determinarão o sistema de informações que vai suportar o funcionamento pleno de toda a cadeia.

Uma logística bem executada como estratégia competitiva, reflete em ganhos para toda a cadeia de suprimentos, ou seja, clientes e fornecedores vão melhorar sua competitividade, contribuindo, em última análise, para o desenvolvimento nacional.

WhatsApp chat